A história da Fundação Ezequiel Dias - FUNED se confunde com a de seu fundador Ezequiel Caetano Dias e com a expansão das atividades do Instituto Manguinhos, (hoje a Fiocruz, do Rio de Janeiro). Ezequiel ingressou no Instituto ainda muito jovem como ajudante acadêmico de Medicina. Em 1905, a pedido do diretor, seguiu para o Maranhão e passou a dirigir o Laboratório Bacteriológico da região. Após alguns meses, regressou ao Rio devido ao agravamento do seu estado de saúde e, de lá, foi encaminhado para Belo Horizonte, por recomendação médica. Em 03 de agosto de 1907, foi inaugurada na capital mineira, na rua da Bahia, próximo à Praça da Liberdade, a Filial do Instituto Manguinhos.O objetivo era pesquisar, divulgar e ampliar as ações de saúde pública pelo Estado. Após a morte de Ezequiel Dias, em 1922, a Filial passou a se chamar Instituto Ezequiel Dias, em sua homenagem.
Minas Online
Você está navegando em: Página Principal » Noticias » Blog article: Funed desenvolve teste rápido para diagnóstico da dengue

Funed desenvolve teste rápido para diagnóstico da dengue

Tags: , , ,

Metodologia que permite resultado em 20 minutos poderá ser ofertada no SUS

Execução do teste rápido de Dengue

A aparência do novo kit lembra os aparelhos de monitoramento de glicemia

A nova tecnologia de diagnóstico rápido da dengue, que poderá reduzir o tempo de análise de amostras de três dias para até 20 minutos, está sendo desenvolvida pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais (Hemominas). Se validado, o teste rápido da dengue deverá ser disponibilizado em toda a rede do Sistema Único de Saúde do país até 2013.

Para validação, a nova metodologia precisa passar por testes que garantam sua assertividade.  De acordo com a coordenadora da pesquisa, chefe do Serviço de Biotecnologia e Saúde da Funed, Alzira Batista Cecilio, os resultados obtidos nos testes serão confrontados com um diagnóstico já estabelecido. “Este será um momento importante para atestar a precisão do resultado obtido por meio do teste rápido”. A previsão, é que esse processo seja realizado a partir do próximo ano, tão logo seja concluída a fase de testes de pesquisa em laboratório.

A praticidade e aparência do novo kit fazem lembrar os aparelhos de monitoramento de glicemia, usado no diagnóstico de diabetes. A diferença é que o sangue coletado do paciente não é aplicado diretamente no kit diagnóstico. O teste é realizado com o soro separado das células sanguíneas e, por isso, a metodologia ainda exigirá a coleta de sangue do paciente. Para análise, o soro é colocado sobre a membrana – que integra a parte interna do suporte plástico que compõe o kit -, juntamente com o diluente. A reação, que pode indicar a presença de proteínas do vírus da dengue ou anticorpos produzidos, ocorre em 20 minutos.

Atualmente, os testes de diagnóstico da dengue são realizados a partir dos métodos MacELISA e ELISA comercial, que se diferenciam principalmente pelo processo e tempo decorrido entre a análise do soro e o diagnóstico.
“No primeiro método, temos que desenvolver os reagentes, montar toda a plataforma de análise do soro em laboratório, procedimento que demanda três dias de trabalho”, explica o chefe do Serviço de Virologia e Riquetsioses, Glauco de Carvalho Pereira. Já o ELISA Comercial, segundo Glauco Pereira, por se constituir em um kit pronto, garante a economia de tempo, reduzindo todo o processo de análise do soro para aproximadamente cinco horas. No entanto, a metodologia MacELISA é considerada o padrão ouro do Ministério da Saúde no diagnóstico de dengue, sendo a técnica mais sensível utilizada atualmente, com maior índice de assertividade.

Casos notificados

Em 2010, com a epidemia de dengue identificada em diversos estados do país, Minas Gerais chegou a contabilizar 261.945 notificações de suspeita de infecção do vírus. Neste período, a Funed realizou 22.000 análises de amostras. Em 2011, houve tanto queda no número de notificações da doença como no volume de análises realizadas pela Funed, sendo verificadas em torno de 5.000 amostras. “Estas amostras foram testadas em uma ou ambas as metodologias (MacELISA e ELISA Comercial), muitas vezes em duplicata”, destaca a farmacêutica bioquímica Maira Alves Pereira, do Laboratório de Dengue e Febre Amarela da Funed.

Segundo Maíra, as analises feitas na Funed tem como objetivo detectar se há epidemia de dengue em certa região e assim contribuir para o trabalho de Vigilância Epidemiológica do Estado. “Por este motivo, o número de análises não precisa ser proporcional ao volume de notificações. Os testes laboratoriais são feitos para identificar a epidemia e auxiliar o governo nas ações a serem tomadas, mas o médico, com exames clínicos, é capaz de confirmar o diagnóstico e pode indicar o tratamento adequado ao paciente antes mesmo do resultado laboratorial”, explica. O teste rápido, nesses casos, seria também uma medida complementar para o diagnóstico clínico, realizado pelo médico.

O projeto para desenvolvimento do Kit de teste rápido para diagnóstico da Dengue conta com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig).

Tecnologia abrangente

Segundo Alzira Batista Cecílio, a partir do desenvolvimento da plataforma tecnológica do teste rápido para Dengue, futuramente há a possibilidade de se utilizar a mesma base para a elaboração de kits que contemplem outras doenças de Saúde Pública, como o rotavirus, herpesvirus e parasitas que serão definidos após a validação da tecnologia.

A doença

Segundo informações do Ministério da Saúde, a Dengue é um dos principais problemas de Saúde Pública do mundo. Normalmente, os sintomas da doença se manifestam após três dias da picada do mosquito. Os indícios de infecção podem apontar duas formas de dengue: clássica e hemorrágica, sendo que a segunda pode levar a morte no período de 24 horas.

Os sintomas da dengue clássica são caracterizados por febre alta com início súbito; forte dor de cabeça; dor atrás dos olhos – que piora com o movimento dos mesmos; perda do paladar e apetite; náuseas e vômitos; tonturas; extremo cansaço; moleza e dor no corpo; muitas dores nos ossos e articulações. Além de manchas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores.

A princípio, a dengue hemorrágica apresenta os mesmos sintomas que a clássica, no entanto, após a febre, começam a manifestar os sinais mais graves, distinguidos pelas dores abdominais fortes e contínuas; vômitos persistentes; pele pálida, fria e úmida; sangramento pelo nariz, boca e gengivas; manchas vermelhas na pele; sonolência; agitação e confusão mental; sede excessiva e boca seca; pulso rápido e fraco; dificuldade respiratória e perda de consciência.

Fonte: portalsaude.saude.gov.br
Texto: Aline Xavier e Sandra Leão
Fotos: Gleisson Matheus

Informações deste artigo:

Link original para esta notícia:
http://funed.mg.gov.br/noticias/funed-desenvolve-teste-rapido-para-diagnostico-da-dengue/
Tags:, , ,
 
Mais canais de informação:
- Acesse para mais notícias do Governo de Minas Gerais: Agência Minas e Blog.
- Acesse a Galeria de Fotos do Governo de Minas Gerais.
- Acompanhe também no www.youtube.com/governodeminasgerais e twitter.com/governomg

 
FUNED Rua Conde Pereira Carneiro n°. 80 - Gameleira - Belo Horizonte / MG - CEP 30510-010 Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades
0,25245 queries in 0,252 seconds.