Notícias e Destaques

Intoxicação alimentar será tema de curso em congresso Latino-americano

Intoxicação alimentar será tema de curso em congresso Latino-americano

A experiência da Fundação Ezequiel Dias (Funed) na identificação do Staphylococcus – microorganismo causador da intoxicação alimentar será um dos temas abordados durante o XXI Congresso Latino Americano de Microbiologia que será realizado de 28 de outubro a 1° de novembro, na cidade de Santos, em São Paulo.

No Serviço de Microbiologia de Produtos da Funed são realizadas análises microbiológicas em amostras de alimentos com suspeita de toxinfecção alimentar enviadas pelo Serviço de Vigilância Sanitária Estadual. Também são realizadas análises de suporte aos laboratórios de Saúde Pública de todo o país na elucidação de surtos causados por Staphylococcus. Só em 2011, a Funed ajudou na identificação de sete surtos de toxinfecção que atingiu 260 pessoas, sendo que 45 delas foram hospitalizadas.

De acordo com a referência técnica do Laboratório de Enterotoxinas da Funed, e um dos coordenadores da área de Alimentos da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM), Ricardo Dias, a toxinfecção alimentar é hoje um problema de saúde pública. “As fortes mudanças nos hábitos alimentares e os avanços tecnológicos aplicados à produção de alimentos conferiram maior complexidade à cadeia de produção e distribuição de produtos. Essas mudanças têm contribuído para que haja aumento nas possibilidades de contaminação dos mesmos e isso tem chamado a atenção de governos de todo o mundo, pois a intoxicação alimentar leva a perdas econômicas devido ao afastamento da pessoa ao trabalho, além de um maior gasto com hospitalização”, explica.

Ricardo ressalta o papel e importância da microbiologia para a vigilância dos produtos. “A microbiologia de alimentos é um dos instrumentos para as indústrias, no monitoramento da qualidade dos produtos, assim como para a Vigilância Sanitária na elucidação de surtos de intoxicação alimentar”, afirma, Ricardo Dias.

Segundo Ricardo, as falhas nas etapas de produção, transporte, armazenamento e comercialização são responsáveis pelo potencial risco de contaminação dos produtos alimentícios por micro-organismos deteriorantes. Na lista dos alimentos campeões de envolvimento em surtos estão o leite in natura e queijos artesanais, produtos de confeitaria como bolo com cobertura e recheio, além dos alimentos manipulados como salada de maionese e salpicão. Além do cuidado no consumo desses alimentos, Ricardo alerta que o consumidor deve conhecer a procedência dos produtos comercializados.

Congresso

O evento, organizado pela Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM), tem como objetivo reunir os pesquisadores que se dedicam às diferentes áreas da Microbiologia, promovendo a troca de experiências por meio de atividades científicas, cursos, apresentações de trabalhos, conferências, mesas redondas e workshops. A área de alimentos da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM) é representada pela referência técnica do Laboratório de Enterotoxinas da Funed, Ricardo Dias, juntamente com Bernadette Franco da Universidade de São Paulo (USP-SP) e Elaine Cristina Pereira (USP-Ribeirao Preto).

A expectativa é de que 1.500 congressistas de toda a América Latina, Portugal e Espanha participem do encontro. O Congresso Latino americano de Microbiologia será realizado no período de 28 de outubro a 1º de novembro de 2012, no Mendes Convention Center, na cidade de Santos em São Paulo.

O XXI Congresso Latino Americano de Microbiologia é aberto ao público, mediante pagamento e inscrição online. Para saber mais, basta acessar: http://www.sbmicrobiologia.org.br/latino/

Intoxicação Alimentar

Os sinais e sintomas da intoxicação causada pela toxina do microorganismo ocorrem logo após a ingestão de alimentos. Os indivíduos acometidos apresentam intensa salivação, náuseas e vômito seguido de dor abdominal e diarreia. A perda de eletrólitos, que leva a desidratação, pode resultar, em casos graves, sinais e sintomas não muito frequentes como febre, dor de cabeça e queda da pressão arterial. A intensidade da síndrome, o período de incubação assim como a dose tóxica varia de acordo com o grau de susceptibilidade do indivíduo que é influenciada pelo estado nutricional, gênero, idade e seu histórico e passado imunológico. Crianças e idosos quando acometidos, muitas vezes necessitam de intervenção médica ou mesmo de hospitalização.

Texto: Sandra Leão